segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Ensaio: Fusca 1969 (Fernando)

Restaurar um carro antigo, mesmo sendo um VW Fusca, o que teoricamente é menos complicado devido à grande quantidade de unidades produzidas e conseqüentemente de peças e acessórios disponíveis no mercado, definitivamente não é uma tarefa fácil. É aquela peça de acabamento super rara que agente não encontra, o funileiro que não entrega o carro no prazo combinado, o tapeceiro que não acha o tecido correto, o mecânico que não regula o motor direito e por ai vai. Trata-se de um grande exercício de paciência e perseverança, onde a recompensa de anos de oficinas geralmente vem acompanhada de um grande sorriso no rosto do satisfeito proprietário ao ver que sua relíquia está finalmente nas ruas para ser admirada por todos. Mas e se ao invés de um carro, o projeto inicie com somente meio carro? Pois foi assim com a restauração deste belíssimo exemplar 1969.


Quando foi adquirido por seu atual dono, Fernando Franco, a situação era desanimadora, pois o carro era somente o chassi e metade da carroceria, mas após 2 anos e meio de trabalho árduo o carro estava nas ruas, pronto para obter a tão sonhada placa preta, que foi conquistada com excelentes 93 pontos na avaliação, de possíveis 100 pontos. Mas como, felizmente, existem algumas pessoas que não estão satisfeitas com o que para a maioria dos mortais já estaria de bom tamanho, o carro foi sendo aprimorado e com a ajuda do clube paulistano HotVolks, a escolha dos acessórios formaram um conjunto de muito bom gosto.





A carroceria, que exibe o belo tom de época Verde Folha, se encontra em um estado invejável de conservação e mantém um brilho de dar inveja, assim como os cromados dos pára-choques, retrovisor e frisos. O interior também se mantém intocado e só recebeu a famosa cestinha porta copos/porta objetos no túnel central.








Mecanicamente falando, o besouro recebeu recentemente uma melhoria que mudou completamente o comportamento do carro: saiu de cena o motor 1300 original para a entrada de um 1600 dupla carburação vindo de uma Kombi Carat e relação de diferencial mais longa (31x8) proveniente de um Fusca Itamar. Quem sofre com isso são os freios originais, a tambor nas 4 rodas, que tem de parar o verdinho que é acelerado sem dó pelo proprietário.




Como rodas são muitos importantes em qualquer projeto visual que se preze, após algum tempo rodando com as também belas Fumagalli, o exemplar do Fernando recebeu um jogo de rodas da americana Empi modelo Sprint Star, com fundo preto e centro diamantado, calçadas com pneus 175/65 R15 na dianteira e 205/60 na traseira, em conjunto com suspensão dianteira com quadro encurtado em 3 cm de cada lado e rebaixada com 2 catracas e traseira com facão regulável.





Após todo esse tempo e investimento realizados, a frase “do lixo ao luxo” pode ser considerada um mantra para Fernando e seu 69 renascido das cinzas.


3 comentários:

  1. Belíssimas fotos, matéria e o carro....sem comentários! Demais!

    Parabéns Vinícius e Fernando!

    Abraços!

    DONEGÁ

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde.
    Tenho um fusca igual a esse, verde folha 1969. Estou querendo restaurar, mas preciso de ajuda para definir como deve ser o acabamento original. Quero conseguir um placa preta, gastando somente com o necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu email é Ilkui@hotmail.com e sou da cidade de Cândido Mota -SP.

      Excluir